Inicia em Maceió o curso de Gênero, Raça e Etnia

Clediana Ramos fala a jornalistas Alagoanos

Clediana Ramos fala a jornalistas Alagoanos (foto: Elida Miranda)

Nesta segunda-feira (22.08), foi aberto o Curso de Gênero, Raça e Etnia para Jornalistas em Maceió, no auditório da Faculdade de Educação e Comunicação (FECOM) do Centro Universitário CESMAC. Devido às intensas chuvas que caem na capital alagoana desde cedo, iniciou com uma hora de atraso.

Cerca de 30 pessoas compareceram no primeiro dia da atividade. São jornalistas que atuam em redações dos principais jornais como O Jornal, Gazeta de Alagoas e Tribuna Independente; além de assessores de comunicação de instituições públicas e privadas; e acadêmicos de jornalismo interessados em aprofundar seus conhecimentos sobre a diversidade étnicorracial e de gênero.

Diretores do Sindicato de Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal) também estão presentes e são representados pela Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-AL) e Comissão de Mulheres Jornalistas.

Anúncios

Começo promissor em Manaus

Participantes do curso reunidos na sede da Fiocruz em Manaus, onde estão acontecendo as atividades. Foto: Cleidiana Ramos

Os resultados do primeiro dia do Curso de Gênero, Raça e Etnia, em Manaus, Amazonas, é mais um indicío da acertada iniciativa que une a ONU Mulheres e a Fenaj. Profissionais de diversas áreas do jornalismo estão participando das atividades.

O que percebemos nesta etapa de abertura são profissionais interessados em aprofundar o conhecimento sobre questões como gênero, raça, etnia, sexismo, racismo, não só do ponto de vista da sua conceituação, mas também como elas estão presentes nas relações sociais e influenciando indicadores de desigualdade e exclusão.

As discussões sobre compromisso social dos jornalistas e como trabalhar melhor estas questões na nossa rotina diária também foram bem produtivas.

Amanhã começaremos o dia com um trabalho de análise crítica da mídia, seguida por uma atividade que promete ser muito interessante. Os participantes vão ter a oportunidade de conversar com a ialorixá amazonense Mãe Nonata. A partir de uma entrevista coletiva, eles vão produzir em grupo reportagens que a gente vai postar aqui.